Dia: 12 de dezembro

Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/?ids=http://algarvemaisnoticias.pt/index.php/component/k2/item/2525-orquestra-classica-do-sul-na-igreja-de-messines): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/newsalga/public_html/plugins/content/bt_socialshare/bt_socialshare.php on line 895

Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/?ids=http://algarvemaisnoticias.pt/index.php/component/k2/item/2519-pintura-a-oleo-de-francisca-sebastiao-em-exposicao-no-convento-de-sao-jose-em-lagoa-ate-ao-dia-12-de-dezembro): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/newsalga/public_html/plugins/content/bt_socialshare/bt_socialshare.php on line 895

Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/?ids=http://algarvemaisnoticias.pt/index.php/component/k2/item/2502-camara-de-silves-lanca-desafio-para-a-criacao-de-clube-de-leitura-para-jovens): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/newsalga/public_html/plugins/content/bt_socialshare/bt_socialshare.php on line 895

Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/?ids=http://algarvemaisnoticias.pt/index.php/component/k2/item/2462-feira-do-livro-de-portimao-celebra-a-sua-60-edicao-com-a-presenca-de-poetas-e-escritores-de-renome-de-14-julho-a-24-agosto): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/newsalga/public_html/plugins/content/bt_socialshare/bt_socialshare.php on line 895

Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/?ids=http://algarvemaisnoticias.pt/index.php/component/k2/item/2460-diogo-correia-de-armacao-de-pera-arrecada-o-primeiro-lugar-do-desafio-em-fotografia-algarve-genuino): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/newsalga/public_html/plugins/content/bt_socialshare/bt_socialshare.php on line 895

Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/?ids=http://algarvemaisnoticias.pt/index.php/component/k2/item/2411-do-areal-da-praia-de-armacao-a-feira-do-livro-de-lisboa-com-pedacinhos-de-mim-sorri-e-jura-amar-te): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/newsalga/public_html/plugins/content/bt_socialshare/bt_socialshare.php on line 895

Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/?ids=http://algarvemaisnoticias.pt/index.php/component/k2/item/2403-desigual-ou-igual-eis-a-questao): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/newsalga/public_html/plugins/content/bt_socialshare/bt_socialshare.php on line 895

Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/?ids=http://algarvemaisnoticias.pt/index.php/component/k2/item/2334-um-novo-grupo-de-teatro-amador-em-silves): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/newsalga/public_html/plugins/content/bt_socialshare/bt_socialshare.php on line 895

Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/?ids=http://algarvemaisnoticias.pt/index.php/component/k2/item/2333-poesia-n-a-praca-vai-chegar-aos-mercados-no-concelho-de-silves): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/newsalga/public_html/plugins/content/bt_socialshare/bt_socialshare.php on line 895

Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/?ids=http://algarvemaisnoticias.pt/index.php/component/k2/item/2328-a-laia-da-beira-criatura-do-mundo): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/newsalga/public_html/plugins/content/bt_socialshare/bt_socialshare.php on line 895

Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/?ids=http://algarvemaisnoticias.pt/index.php/component/k2/item/2326-jazz-vinhos-turismo-e-cultura-365-no-concelho-de-silves): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/newsalga/public_html/plugins/content/bt_socialshare/bt_socialshare.php on line 895

Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/?ids=http://algarvemaisnoticias.pt/index.php/component/k2/item/2325-leoncio-lena-em-tavira): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/newsalga/public_html/plugins/content/bt_socialshare/bt_socialshare.php on line 895

Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/?ids=http://algarvemaisnoticias.pt/index.php/component/k2/item/2262-camara-municipal-de-silves-apoia-noites-al-teatro-trazem-teatro-forum-em-dose-dupla-a-fissul): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/newsalga/public_html/plugins/content/bt_socialshare/bt_socialshare.php on line 895

Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/?ids=http://algarvemaisnoticias.pt/index.php/component/k2/item/2226-miragem-praia-d-ana-vence-o-concurso-30-anos-30-criterios-um-objetivo): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 403 Forbidden in /home/newsalga/public_html/plugins/content/bt_socialshare/bt_socialshare.php on line 895
Cultura

Cultura (29)

Orquestra Clássica do Sul na Igreja de Messines

 

A Orquestra Clássica do Sul (OCS) regressará no próximo dia 9 de dezembro, pelas 21h00, à Igreja de SB de Messines onde interpretará um concerto de música de Câmara. A iniciativa é promovida pela Câmara Municipal de Silves (CMS) em parceria com a OCS.

Interpretado por um agrupamento de câmara composto por Stefania Bernardi (flauta), Eun-Hee Sohn (oboé), Laurentiu Simões (violino), Ângela Silva (viola) e Mikhail Shumov (violoncelo), o concerto incluirá no seu programa obras de Bach, Mozart, Haydn e Süssmayr.

A entrada tem um custo associado de 5 € e o telefone 282 440 856 e o endereço de correio eletrónico Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. são os contactos do Sector de Cultura da CMS para o fornecimento de informações adicionais sobre o evento.

Ler mais ...

Pintura a óleo de Francisca Sebastião em exposição no Convento de São José, em Lagoa até ao dia 12 de Dezembro

A pintora autodediata, Francisca Sebastião, nascida em Monchique e a residir em Lagoa, onde, aliás, expôs pela primeira vez no Fatacil em 1988 e, desde essa data já realizou outras exposições pelo Algarve e tem quadros seus espalhados pelo mundo, sendo que, a presente exposição de pintura a óleo sobre tela vai estar patente até 12 de Dezembro no Convento de São José, em Lagoa.

João Pina

Carteira Profissional de Jornalista Nº 4 408

Francisca Sebastião referiu que esta exposição teve a inspiração num sentido solidário “No dia 8 Setembro do corrente ano, não se via o sol envolto pelo fumo. As cinzas caiam-nos em cima e, por toda a parte, o calor do fogo era uma bola imensa e rubra. Sabíamos que os sítios de Senhora do Verde, Montes de Cima e Alcalar, toda a zona era um inferno de chamas e labaredas, que lambiam tudo o que encontravam pelo caminho”, adiantando, ainda: “Na tarde desse dia, o meu marido chegou a casa e disse que os bombeiros tinham feito um apelo, pedindo meias de algodão e creme. Ele, acabando de dizer estas palavras, irrompeu num pranto. E eu também. Bravos homens e mulheres que, desprezando a própria vida, lutavam em prol das vidas alheias, que por vezes por elas davam a vida. Senti dentro de mim uma desmedida vontade de ajudar estes guerreiros, mas não sabia bem como”.

Acompanhando o seu raciocínio daquela tarde, recordamos as suas palavras: “De repente fez-se luz. Naquele momento eu sabia já a forma de dar alguma coisa aos bombeiros. De poder ajudar quem tanto ajuda. Sou pintora autodidata. Deu-me Deus a graça de poder pintar e, nesse instante de realização, surgiu na minha mente aquilo que agora se materializa em realidade: uma exposição de pintura. Para culminar, a minha missão seria fazer com que cada cêntimo, cada euro, de cada quadro vendido revertesse inteiramente para os bombeiros de Lagoa”.

É neste contexto que, além da qualidade dos 28 quadros em exposição e cujos custos vão desde 40 euros a 80 euros, revertendo, como já é sabido - as receitas da venda dos quadros vão para os Bombeiros Voluntários de Lagoa – pelo que o Algarve Mais Notícias publica apenas alguns quadros de Francisca Sebastião. 

Ler mais ...

Câmara de Silves lança desafio para a criação de Clube de Leitura para jovens

..A Biblioteca Municipal de Silves (BMS) pretende implementar um Clube de Leitura para Jovens, com idades compreendidas entre os 12 e os 14 anos. As inscrições decorrem até dia 22 de novembro.

Proporcionar momentos de partilha e convívio em torno de obras literárias lidas por todos os jovens leitores, num ambiente informal, é o principal objetivo deste clube que reunirá mensalmente, na Sala Garcia Domingues, entre as 15h00 e as 16h30, nos dias 29 de novembro de 2017, 24 de janeiro, 21 de fevereiro, 21 de março e 18 de abril de 2018.

O Clube formar-se-á com um mínimo de 10 participantes e um máximo de 15, devendo os interessados proceder ao preenchimento de uma ficha de inscrição disponível na Biblioteca e no site da Câmara Municipal de Silves em http://www.cm-silves.pt/pt/noticias/3614/biblioteca-municipal-de-silves-lanca-o-desafio-para-criacao-de-clube-de-leitura-para-jovens.aspx. É, também, necessário que os participantes estejam inscritos como leitores na BMS e apresentem a respetiva autorização dos seus Encarregados de Educação para frequentarem o Clube de Leitura.

O telefone 282 440 899 e o endereço de correio eletrónico Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. são os contactos da Biblioteca para o fornecimento de informações adicionais.

Ler mais ...

Feira do Livro de Portimão celebra a sua 60ª edição com a presença de poetas e escritores de renome de 14 julho a 24 agosto

Portimão celebra este ano a 60ª edição da Feira do Livro com muita poesia e literatura e com propostas literárias para todos os gostos a preços tentadores, com início no dia 14 de julho e término no dia 24 de agosto, na Zona Ribeirinha de Portimão – Avenida Guanaré, junto ao Posto de Combustível da Repsol. Serão 42 dias a celebrar a poesia e literatura, numa festa que é feita de livros, escritores e leitores.

O evento, organizado pela Livraria e Papelaria Elifalma em conjunto com a Câmara de Portimão, abre portas entre as 19h00 e as 00h00 e propõe para a primeira quinzena um foco na poesia com a presença de vários poetas da obra “Palavras de Liberdade” - Colectânea de Poetas de Portimão, lançada no mês de abril no TEMPO – Teatro Municipal de Portimão no âmbito das Comemorações do 25 de Abril. Uma obra constituída por 25 autores, sendo 12 poetas e 13 poetisas, entre eles, Glória Marreiros, António da Silva Marreiros, Sérgio Brito, José Garrancho e muitos outros. Destes, alguns nasceram no concelho de Portimão e outros adotaram Portimão como a sua cidade do coração, por aqui residirem ou trabalharem há muitos anos. Os poemas têm uma linguagem livre e espontânea, alguns de cariz mais popular outros mais eruditos, versam sobre o amor, a morte, a vida e a liberdade. Uns descrevem memórias, outros a cidade de Portimão.

Durante o mês de agosto, a Feira do Livro será dedicada à literatura com a presença de escritores com espírito empreendedor que lançaram recentemente as suas obras e que têm alcançado um sucesso notável.

No certame vão estar escritores como Alberto S. Santos com a obra "A Arte de Caçar Destinos", Sandra Barão Nobre com a obra “Uma Volta ao Mundo com Leitores”, Janine Medeira com o livro “Ser Feliz Não é Caro - O Livro da Grande Poupança”, Manuel Neto dos Santos, José Manuel Figueiredo Santos com a obra “Património e Turismo” – O Poder da Narrativa, Nuno Campos Inácio com o livro “História do Condado de Vila Nova de Portimão”, João Vasconcelos, entre muitos outros escritores.

O programa da sessão de autógrafos com os escritores será diário e será divulgado brevemente em www.vivaportimao.pt

Destinada a todos os tipos de público, a Feira do Livro de Portimão tem o habitual cliente que preparou a sua lista de livros durante o ano inteiro e que vai lá para comprar objetivamente aqueles livros que guardou para aquele momento. Poderá encontrar um vasto lote de obras de ficção científica, policiais, romances históricos, literatura infanto-juvenil e livros técnicos das mais diversas áreas do saber.

A Feira do Livro de Portimão é já uma instituição, um programa obrigatório de verão no final da tarde ou à noite para residentes e turistas e uma oportunidade privilegiada de contacto com a leitura e de compra de livros, oferecendo descontos médios de 20 por cento, o que atrai todos os anos milhares de visitantes, tendo recebido em 2016 perto de 49.000 mil visitantes, os quais adquiriam cerca de 25 mil exemplares, números que reforçam a posição deste evento como o terceiro maior do país no seu género, logo a seguir a Lisboa e ao Porto.

Serão 42 dias dedicados à promoção da leitura inseridos numa Feira localizada num espaço privilegiado à beira rio Arade, o maior certame dedicado ao livro e à leitura e há muito ligado à cidade, foi conquistando um estatuto próprio e hoje apresenta-se como um dos certames habituais na Programação Cultural do Município, mobilizando a população residente e os que nos visitam em torno da importância da leitura, sendo, ainda, a grande oportunidade de aproximar autores e leitores.

Ler mais ...

Diogo Correia, de Armação de Pêra, arrecada o primeiro lugar do desafio em fotografia “Algarve Genuíno”

Foto vencedora de Diogo Correia na exposição “Algarve Genuíno" à descoberta dos "Centros Históricos” patente na galeria da FNAC, em Faro a partir de 10 de julho. 

A exposição é composta por um conjunto de 11 fotografias selecionadas durante a segunda edição do desafio fotográfico “Algarve Genuíno” que a Câmara Municipal de São Brás de Alportel promoveu este ano.

Entre as várias obras exibidas estarão as fotografias premiadas, nomeadamente “Onda a colidir no paredão centenário do Challet de Armação de Pera”, da autoria de Diogo Correia que arrecadou o primeiro lugar deste desafio.

O desafio fotográfico “Algarve Genuíno” teve como objetivo descobrir novos talentos do mundo da fotografia, privilegiando o registo para a posteridade de paisagens, pessoas ou momentos que apresentem uma forte ligação ao Algarve, à sua História e origens.

A exposição vai estar patente até 07 de Setembro e é de visita gratuita.

Ler mais ...

André Sousa do areal da Praia de Armação à Feira do Livro de Lisboa com “Pedacinhos de Mim” sorri e “Jura Amar-te”

Uma notificação nas redes sociais aguça-me o apetite das palavras desmontadas do trivial e do certinho das frases, ainda que, escritas por um amigo e companheiro da letras de textos ousados e criadores de um romantismo desusado.

João Pina

Carteira Profissional de Jornalista Nº 4 408

Cá longe, junto aos mares do sul, viajo muitas com tais palavras, às costas, bebendo, da prosa deste escritor idolatrado pelas jovens de idade. Mas, sobretudo por idosas jovens de espírito que com ele, André, revivem paixões antigas transversalmente da prosa pintada de delícias sonhosas e, ainda que, esquecendo os meus cabelos brancos apetece-me embarcar agora no barco do amor meio louco à descoberta da afeição pela escrita.

Passando pelas palavras à solta e escritas nas madrugadas, o algarvio filósofo do amor qual cigano da magia sonhadora, faz-nos almejar a utopia do céu-aberto.

"São três da manhã e o sono parece não querer chegar.

As memórias são tantas: os dias vividos, as fotografias espalhadas por esta mesa e a certeza... de que te amo acima de tudo nesta vida.

Poderia passar o resto dos meus dias a escrever-te, a contar-te tudo o que despertas em mim, tudo o que fizeste para mudar a minha história.

No fim de contas, fizeste de mim um homem melhor, um lutador que te abraça nas noites frias, que te beija nos instantes de loucura, que te protege em todos os dias desta nossa paixão".

São desabafos de André Sousa, paridos na penumbra da paixão de um escritor jovem, porém, talentoso, reais ficcionados a partir da vera vida escudada numa paixão secreta, ou pura e simplesmente transformados numa musa que o faz escrever e sonhar um dia d’ enlaçar em mil beijos? “É a vida que se desenha no meu peito. Talvez pela vontade de viver o amor em toda a sua plenitude. É acreditar que o infinito é bem mais real do que cada sonho que conseguimos alcançar.

O amor desenha-se em cada letra que escrevo. Nas frases compostas na madrugada, ou naquelas ondas que me envolvem o corpo em tardes quentes de verão.

Eu vejo o amor em cada expressão, em olhares preenchidos de alma, em sorrisos que se esboçam ao passar de quem deixa a sua marca. Para mim o amor é isso mesmo... algo incompleto que se vai completando todos os dias, em todos os versos, em todos os sentidos”, concluo de ler mais um enxerto de um poema de André Sousa, o escritor nascido e criado em Armação de Pêra, com presença assegurada na Feira do Livro de Lisboa 2017.

Quem é André Sousa?

Tem mais de 140 mil seguidores nas redes sociais, o escritor-fenómeno com presença assegurada no próximo dia 10 de junho, pelas 16,00 horas, na Feira do Livro do corrente ano, na banca da “Chiado Editora”.

Natural de Armação de Pêra, emigrou para Lisboa, lançando em 2010 o blogue "Pedacinhos de Mim" que tem quase 3 milhões de visitas, onde ainda, publica diariamente as suas prosas e poesias, tendo, igualmente, dois livros lançados: um de poesia que já vai na sua segunda edição - "Juro Amar-te" (2015) - e um diário de amor que está prestes a esgotar - "O Homem que me fizeste ser" (2016).

"Amo-te para além do teu corpo.

Dessa pele em que me perco, desse teu sorriso em que me encontro.

Amo-te para lá de tudo aquilo que eu sou,

Muito para além de tudo aquilo que tu és.

Amo-te na simplicidade de um beijo dado à luz do teu amar,

Na esperança de que a saudade irá morrer num abraço,

Num regresso apressado, numa mão cheia de sonhos.

Amo-te para além de tudo aquilo que tens,

Desse olhar que me faz pedir mais, dessas mãos que deslizam sobre o meu rosto,

Desse teu jeito de me mostrares que a vida é feita para se aproveitar,

Para se sentir... em cada momento só nosso.

Amo-te para além de mim mesmo,

Por tudo aquilo que me fazes ser contigo, por tudo aquilo que não deixamos por dizer, por cada história que temos por contar.

Amo-te em cada noite em que nos perdemos nas horas,

Em que nos amamos sem qualquer demora, em que somos bem mais do que o prazer.

É desta forma que te amo...

Sempre que dás tudo de ti, sempre que te dou tudo de mim,

Sempre que não somos o fim...

De um princípio que nunca se esgota em nós".

Passando pelas suas palavras à solta escritas nas madrugadas, o algarvio filósofo do amor qual cigano da magia sonhadora, faz-nos almejar a utopia do céu-aberto.

Conhecendo como te conheço desde garoto a correres pelo areal da praia de Armação de Pêra, questiono-me, aliás pergunto-te, como aprendeste a ser romântico e morares a «tua rua da vida de fábulas ou da aparência da vida». Ou a possibilidade de «residires a meias; de dia como um jovem licenciado que trabalha no meio das ditas pessoas normais e de noite ancorado no vale dos lençóis».

Tais saberes, quais tiradas lá do fundo coração, não fazem parte da aprendizagem das universidades, é, a isto que se chama um «romântico assolapado ou a um escritor vestido de cor-de-rosa flamejando de eterna paixão».

Os sentimentos nunca serão aprendidos. Nem mesmo em cada noite que passamos em claro a delinear textos que são cópias de tudo aquilo que lemos nos livros. A vida divide-se em duas partes: aquela em que não somos nós – carregada de obrigações e burocracias – e aquela em que somos tudo aquilo que queremos.

É nessa parte da vida que encontramos os sentimentos, sempre que não os tememos, sempre que os seguramos com as duas mãos.

O amor que sinto... não o explico. Por isso escrevo quase sem pensar. O que se pensa deixa de ser sentido, correto? Então mais vale ir na maré, largar as amaras (medos) que nos prendem e... chegar a caminhos nunca antes percorridos, sublinha André Sousa.

"Não desistas de mim... não partas e deixes aqui a saudade de tudo aquilo que fomos.

Por maior que seja a distância... faz com que este sentimento resulte.

Jamais poderemos amar aquilo que não nos pertence, mas não é isso que ambos sentimos.

Quantas vezes sonhas comigo?

Eu dou por mim a sonhar contigo toda a noite.

A falta do teu corpo envolve-me e eu sinto que te perco a cada hora que passa.

Não sei o que fazer. O meu desejo parece desvanecer... sempre que ouço um barulho e não te vejo entrares por esta casa.

Quero-te muito para além da dor que o amor nos causa,

Para além das lágrimas caladas que vou colecionando e guardando numa gaveta repleta de recordações.

Não desistas de mim...

Peço-te que não desistas antes de tentar. Antes de tentarmos os dois.

Porque é nesses momentos que vemos a diferença entre uma simples paixão e um grande amor.

E se o sentimento é verdadeiro... será sempre duradouro,

Deixará para sempre a sua marca -

Em tudo aquilo que faças.

Não desistas de mim... assim como eu não desisto de te amar".

Verdadeiro, duradouro, sentimentos ímpares «made in André Sousa», meditados, quiçá, no miradouro da Penha de França e que te acompanham no dia-a-dia de uma maratona sem meta anunciada:

“É no desconhecido que encontro a minha motivação. Deixo-me levar sem pensar seriamente no dia de amanhã.

Acho que acabo por agir como um louco. Porque um louco é livre e vive nos seus próprios pensamentos distorcidos. É isso que me faz avançar, porque nem sempre podemos ser tão sãos (porque a sanidade faz de nós máquinas e essas não conseguem sentir).

A verdade vive sempre em cada um de nós. Eu tenho a minha verdade, a Maria tem a sua verdade e o António tem a dele. E o que diferencia a verdade de cada um? A sua própria forma de ver o mundo.

Por isso vou caminhando - errando e aprendendo, perdendo e conseguindo.

Assim vou vivendo... a amar cada marca que vão deixando em mim”.

Vamos regressar a um passado recente:

Que recordações tem o escritor dos anos de escola secundária e onde? Como era o jovem André? Bem comportado nas aulas, alinhado e sempre com os livros debaixo dos braços, esferográfica ou iPhone preparados para escrever? Ou ainda, num banco de jardim ou numa esplanada em frente à praia de Armação de Pêra? O primeiro emprego? Os tempos de funcionário da Junta de Freguesia de Armação de Pêra e o contato com os seniores da tua terra?

“Confesso que o André sofreu muitas mudanças no seu percurso. Todos nós passamos por fases, por aquela rebeldia de jovens que pensam ter o mundo nas mãos, ou até mesmo por tempos em que nos sentimentos mais em baixo. Recordo com saudade alguns momentos que passaram e agora... olhando para trás, vejo que tudo teve o seu instante para que possa estar onde estou agora.

Nunca fui muito de estudar, preferia viver as coisas, andar pela rua, divertir-me, sentir-me. Só quando cheguei à faculdade é que levei tudo um pouco mais a sério. Licenciei-me em Sociologia e vi que me faltava um pouco mais, que precisava avançar e tirei o Mestrado em Educação Social. Admito que não gosto nem nunca gostei de levar muito certa, gosto que poder ter margem para pensar, para criar, para inovar.

Foi isso que encontrei ao trabalhar durante o tempo que estive com os seniores no Pólo de Educação ao Longo da Vida de Armação de Pera. Mais do que enriquecimento curricular e profissional, ali sai muito mais rico enquanto pessoa. Sei que nunca na minha vida irei encontrar pessoas como aquelas, pessoas que amam sem barreiras, pessoas que abraçam como quem cuida, pessoas que dão tudo o que têm em si. Existem noites em que a saudade aperta, não nego, mas tenho todas elas comigo no coração e isso conforta-me – até aos dias de hoje.

Ter sido acolhido na Junta de Freguesia foi uma experiência incrível. Deram-me toda a margem de manobra para poder criar novos projectos, para poder ajudar todos aqueles que mais precisavam. Foi lá que criei o gosto para procurar e bater a todas as portas para encontrar soluções para quem me procurava com uma mão cheia de problemas.

Tudo isto marcou-me, e ainda hoje em qualquer lugar que esteja falo destas gentes e destes momentos com todo o carinho que posso sentir”, referiu André Sousa nesta espécie de jogo de ping-pong entre o poeta escritor e o jornalista também escritor.

Ainda, sentado, nos muros das «sete colinas dos miradoiros de Lisboa», depois de cinco minutos de olhos cerrados, o que é que os olhos do escritor poeta veem, alcançando o olhar dos muros da Fortaleza de Armação de Pêra com o que vês desses miradoiros milenares de Lisboa?

“Ainda vejo um caminho longo pela frente. A vida é feita de pequenos sacrifícios que nos fazem chegar a grandes vitórias. Passo a passo vou chegando a novos lugares, a novos olhares, a novos corações – de todos aqueles que, mais do que me lerem, sentem tudo aquilo que escrevo.

Sei que aqui tudo é diferente da minha "casa". E a nossa "casa" será sempre só uma. Apesar de maior, nada nos garante que seja melhor. Aqui residem as oportunidades, aquelas bases que precisamos para que a vida nos possa sorrir de outra forma. É aqui que agora encontro o meu lugar, que encontro tudo aquilo que preciso para continuar a seguir um caminho que me tem dado muitas alegrias.

Tenho a certeza que fomos feitos para voar, para irmos para onde quisermos, para sentirmos e vivermos tudo o que pudermos. Mas... quando é para regressar e para sentir... acabamos sempre por regressar ao ponto de partida. É tudo isso que nos torna humanos. E sabe bem sentir-me humano! Sempre que abro a janela, vejo para além do horizonte e consigo sentir o cheiro a mar entrando tão longe dele, daquele mar que me viu crescer”.

 

Ler mais ...

Desigual ou igual eis a questão…

Somos um país de críticos, treinadores de bancada, sabichões de tudo e mais que todos, entendemos de cantores e de compositores, andamos armados em cucos frustrados e temos dito e escrito cobras e lagartos sobre Salvador Sobral.

Por João Pina

Carteira Profissional de Jornalsta Nº 4 408

Antes da Eurovisão bateu-se no cantor quanto à sua indumentária em palco, interpretação vocal e gestual.

Agora, idolatra-se, diz-se que canta bem, que a música é um cântico à representação do Portugal Tuga na Eurovisão e, porquê, simplesmente, pela diferença do canto em si.

"Amar pelos Dois" não terá a melhor música, nem o melhor poema, mas é, seguramente, Desigual pelo que faz do Salvador um Deus Maior dos palcos.

Nunca se tinha visto e ouvido nada assim!

Apanhou-nos!

Surpreendeu-nos!

Silenciou-nos e pôs-nos de boca aberta de espanto!

A isto chama-se arte!

Boa! Má! Bonita! Soberba!

Incomparável! Diferente!

Nem o próprio Salvador Sobral cantará igual ao sempre igual tema.

Cantará constantemente de uma forma diferente, será cada vez um intérprete criativo na sua performance artística.

É isso!

O difícil é ser Desigual, por que o certinho é ser igual como os outros.

E, assim sendo, seria apenas mais um entre tantos, como da mesma forma que ser polémico é, ser diferente, é dar nas vistas, é ser criticado, é ser falado.

Picasso foi e, continua a ser um mestre da pintura, ou o doido que borrava as telas enquanto ébrio ou drogado?

Claro que não!

Genial no seu estado de criador enxertado de maluquice momentânea fazendo história de memória futura, que ainda hoje dura e durará pelos séculos vindouros.

Na desigualdade musical e interpretativa é que se faz a diferença dos ditos normais e copiadores da arte básica dos livros de composição e da orquestração.

Ser Desigual dos outros, faz do Salvador um outro artista, quiçá, já um ícone internacional.

Em tempos, Marceneiro, Max, Variações foram chamados cantores esquisitos, polémicos, desequilibrados e fora de tom. Porém, mortos tornaram-se geniais, imortais por que foram Desiguais, fora do comum, inimitáveis.

Salvador Sobral à boa maneira portuguesa passou de besta a bestial, salvo seja, como se diz.

Vamos aguardar até sábado, abençoados por Francisco, o Santo Papa do Centenário, também, Desigual do Milagre de Fátima, para vermos se acontece outro milagre a favor de São Salvador, desta feita em Kiev…

Ler mais ...

Um novo grupo de teatro amador em Silves

Orientado pela Al Teatro, a companhia profissional da cidade, residente no Teatro Mascarenhas Gregório, surge a oportunidade para a criação de um novo teatro amador em Silves, pelo que se convidam todos os interessados para uma experiência numa das muitas áreas de participação possível: representação, luz, som, cenografia, guarda-roupa, fotografia, entre outras.

O convite é dirigido a quem já fez teatro, a quem nunca fez e a quem diz “sempre quis experimentar e nunca tive coragem”, ou ainda a quem quer desenvolver competências diversas, como por exemplo falar em público.

O primeiro encontro deste novo grupo de teatro amador, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Silves, está marcado para dia 9 de fevereiro (quinta-feira), no auditório da Fissul, pelas 21h00. Os interessados, maiores de 14 anos, deverão inscrever-se para o efeito pelo telefone 282101050 ou por email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Ler mais ...

“Poesia n’a Praça" vai chegar aos mercados no concelho de Silves

A poesia e a literatura chegarão, em 2017, aos mercados e praças do concelho de Silves, através de uma iniciativa da Casa-Museu João de Deus – o “Poesia n’a Praça - Mercado de poesia/Poetry book market” -, que se iniciará no dia 28 de janeiro, no Mercado Municipal de Silves, entre as 9h00 e 12h30.

Este evento que decorrerá ao longo do ano de 2017, no 4º sábado de cada mês, tem já previstas as seguintes datas e locais para sua realização: Mercado Municipal de SB Messines, 25 fevereiro; S. Marcos da Serra (Feira de antiguidades e Velharias), 25 de março; Mercado Mensal de Tunes, 22 de abril; Mercado Municipal de Algoz, 27 de maio; Mercado Municipal de Alcantarilha, 24 de junho; Mercado Municipal de Pêra, 22 de julho e Mercado Municipal de Armação de Pêra, 26 de agosto.

Assim, nesses mercados haverá uma banca dedicada à venda de livros de poesia, que irá contará com livros de pequenas e grandes editoras, algarvias e nacionais, bem como terá representados poetas de diferentes gerações e correntes de escrita. Especialmente destinado e preparado para o público estrangeiro haverá um espaço na banca dedicado à troca de livros de poesia estrangeira. «A poesia é para comer», dizia a poetisa Natália Correia e, por isso, os livros de poesia serão trazidos para junto da população, das bancas de venda de produtos alimentares e do movimento peculiar dos mercados.

O evento contará, ainda, com pequenas performances, leituras, oficinas de escrita e outras manifestações de caracter cultural onde a poesia será a iguaria e que oportunamente serão divulgados. Neste primeiro “Poesia n’a Praça - Mercado de poesia/Poetry book market” serão feitas algumas leituras de poesia pela jovem Mariana Faustino, subordinadas ao tema laranja e laranjais.

O telefone 282 440 892 e o email Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. são os contactos da CMJD disponíveis para o fornecimento de informações adicionais sobre esta ação.

Ler mais ...

À laia da Beira “Criatura” do mundo!

Caro, amigo, Edgar

Cada vez que oiço a tua voz e música na rádio, pasmo e venho-me de nostalgia dos anos de estudante na "Campos Melo", da Covilhã e dos anos da adolescência no Fundão.
Conhecemos-mos em Portimão na área da música, claro, enamorei-me pelo teu talento artístico reverente e disse para mim - este gajo, cheira-me aos ventos das serras da Estrela e da Gardunha, dos fumos das tabernas da “Rua da Cal”, Fundão e, das conversas nas coletividades dos "Penedos Altos" e do “Bairro do Rodrigo", Covilhã - pimba - acertei - o Edgar bebeu o leite e o vinho das Beiras e, só podia ser...

O Edgar é um menino na comparação das idades, mas, nas artes não há jovens nem velhos - há criadores, músicos e artistas - será, seremos, alienados viciados dos palcos e da vida com música por assento.

Ouvir-te falar é, um turbilhão de palavras vindas do além celestial, acompanhado pela fanfarra das criaturas impensáveis a que dás movimento e vida. A tua criatura musical poisa nos palcos, qual procissão de usos e costumes, tradições portuguesas que recrias à desgarrada de tons e vozes com cheiros a opereta de um musical a subir ao Estádio da Luz, em noites de verão, ou ao Pavilhão Arena de Lisboa ou ainda, de Portimão. 

Edgar meu amigo, a tua aurora criativa das criaturas que te passam pela mente espiritual, segue avante pelos caminhos da loucura extravagante em falta no marasmo musical que tu e, outros jovens filósofos das letras tocadas e cantadas, nos estão a acordar da pasmaceira em que estávamos adormecidos.

 Um bem-haja e abraço cheio de energia e movimento beirão do João Pina ao som dos adufes nossos.

João Pina

15.01.2017



Ler mais ...
Assinar este feed RSS
×

Sign up to keep in touch!

Be the first to hear about special offers and exclusive deals from TechNews and our partners.

Check out our Privacy Policy & Terms of use
You can unsubscribe from email list at any time