Dia: 16 de Jul

Itens filtrados por data: sexta, 10 maio 2019

“Marie de Paris” de Palácio Azulejo - Apesar, sexo ensejos imaginárias….

 

“Marie de Paris” de Palácio Azulejo
Apesar, sexo ensejos imaginárias…

Apesar, não cerejas, lá fora, 
que tens perante, é sombra 
fará espelhos não tem nada, 
pela frente, uma mistério poema.
Jamais, pernoitará, acreditavas
doutrinas, parecer-te sentidos
ainda, deixa, segredo voltar
correr, meu “anjo da guarda”
razão, contar-me enigma céu.
Porra, para, adivinha d’ amante
que fazia, as ruas com escuridão
mas, tens ir logo, embora, sombra 
de imaginas parecer sem sentido.
Não fará dele melhor do que aquilo 
que és bonita, sempre, senti que dera,
apenas, de nunca, ter havido sexo. 
Mesmo, quando descobri a depravação: 
Porque aceite isto atormentado?
Sobretudo, sento, viva como comigo?
Porque, acha, não granjeia nada?
Uma mulher mudou a minha vida?
Única, coisa bonita da minha vida
dormir ele, como um favor a vida?
Irá delatado, bateu, noite, o parvalhão?
Porque, não entregas são sentença dele, 
ou menos, lembro, correu bem mulher 
tens é, somente, sombra que imagem.

A “Marie de Paris” é, romanceado, Montes Mourinhos, 
Armação de Pêra, puta amante, vivamente, Palácio Azulejo”, 
as “Laarbees”, suas galanteadas faculdades praias; 
atraente encantadores, romântico. Anoitecidas, senhoreadas
“Marie de Paris”, página capítulos, ensejos de imaginárias…

João Pina
11.05.2019, pelas 19,10 horas

Romanço, ali murchou

Vencesses! Velhinha!
Garoto, garotavas! 
Vá! Minha, avó, 
mãe mãezita

Vencesses! Velhinhos!

Princesa, cresciam,
represares homens velhos
Vencesses! Velhinha!

Eu, todas palravas, viagens
pensou criança romance velho,
história de pião brinco; escrevas
criança pêlos cara e barbas enriqueçam 
velhacar, aliás, capítulos fim páginas

Além, criança romance nasceu 
vencesses, velhinhos e garotos

João Pina
10.05.2019, pelas 23,20 horas

 

Amigos, já "Milongas"

Hoje, acabe, jante,
ceia de nove, bacalhau “à Ti cozinha”
Curativo à hora, comer, televisão, política e futebol 
e, fantasma tempo, triz lunático obscuridade
vinho tinto, café de medronho e, fala terapia assim…

Poema é, versaste solitário,
conversastes mim, musas mistério 
espelho língua e, música séquito, 
sofá fantasia três baile Milongas 
dançar tango, “Maxime Cabaret”, 1960, Lisboa

Ao meio poema texto com verso,
veja sofá, ensejos dormir à ocasiões…

João Pina
09.05.2019, pelas 23,50 horas

Fantasma, amizades teus...

Tempo preses amiga 
lua espírito, amizades teus
enviem quão farsas, 
demónios, mentes fales
oncológico suspeitos,
... perdes, agora, vêem-se 
indicias videntes pão trigo assoam

Pazes céus adentro consciente 
espírito, benquerenças teus...

Mãos abraçam, olhos verdes-claros
falantes; surdos-mudos, homens de saias amarelo
“Louvemos o Senhor", incentivo, fantasma, 
benquerenças... Fantasma, amizades teus...

João Pina
08.05.2019, pelas 22,20 horas

Ler mais ...
Assinar este feed RSS
×

Sign up to keep in touch!

Be the first to hear about special offers and exclusive deals from TechNews and our partners.

Check out our Privacy Policy & Terms of use
You can unsubscribe from email list at any time